Utilize este identificador para referenciar este registo: https://recil.grupolusofona.pt/handle/10437/6333
Título: A casa encantada
Autores: Miranda, José Bragança de, orient.
Alves, Júlio Manuel Lopes
Palavras-chave: AUDIOVISUAL
CINEMA
MESTRADO EM ESTUDOS CINEMATOGRÁFICOS
NARRATIVA FÍLMICA
FILMES
IMAGEM CINEMATOGRÁFICA
METODOLOGIAS
AUDIOVISUAL
CINEMA
CINEMA NARRATIVE
FILMS
CINEMATIC IMAGE
METHODOLOGIES
Data: 2014
Resumo: A Casa Encantada é um filme que nasce da procura, da espontaneidade, do contraste, da colaboração, e desenvolve-se a partir de uma reflexão pessoal sobre a montagem e a minha visão sobre o cinema, as influências das diferentes formas de ver cinema e a minha forma de fazer cinema. Este documento está dividido em dois blocos temáticos. O primeiro expõe de modo panorâmico e sintético as influências das diferentes correntes cinematográficas na minha forma de fazer cinema, para passar depois a contextualizar os meus projetos dentro do panorama cinematográfico do Séc. XXI. O segundo descreve os elementos-chave do projeto A Casa Encantada, centrando-me numa nova metodologia de trabalho que denominei metodologia Loop. O procedimento de trabalho usado na elaboração deste documento foi o seguinte: em primeiro lugar, escrevi os conceitos e os temas que englobam este filme – Cinema, democratização das ferramentas, cinema de autor, realismo social, cinema de massas, Hollywood, formalismo, festivais, digitalização, mass media, felicidade, infância, realidade, recordações, objetos, resistência – e que, de forma direta ou indireta, também marcaram os meus anteriores trabalhos. Estes temas foram discutidos com o professor José Bragança de Miranda, que escolheu uma variada bibliografia sobre estes conceitos e temas que abordámos nos nossos encontros. Esses encontros e o intercâmbio de opiniões e visões serviram também para estabelecer e delimitar os objetivos deste trabalho que em breve exporemos. Durante o período de leitura, investigação e reconstrução dos meus conhecimentos sobre estes conceitos, fui consciente, por um lado, das influências das diferentes correntes cinematográficas e, por outro, da relevância da minha nova forma de montagem, a que chamei sistema loop e que assenta, não só numa determinada forma de editar o material captado, como também em materiais periféricos como a fotografia, a interação com quem faz parte do Júlio Alves. A Casa Encantada. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Departamento de Estudos Cinematográficos. 7 projeto e ainda com o meu caderno de notas. Daí os dois blocos temáticos mencionados no parágrafo anterior. A Casa Encantada é um projeto que nasceu no contexto desta tese mas que ainda não terminou. Continua em processo enquanto escrevo este documento. Mas a reflexão e a análise que aqui se expõem servem para refletir os seguintes objetivos: – Sintetizar as diferentes formas de fazer cinema ao longo da história do cinema – Estabelecer relações entre as diferentes correntes cinematográficas e A Casa Encantada – Analisar o contexto do Cinema na era audiovisual – Reflectir sobre o papel do realizador no panorama cinematográfico atual – Estabelecer os elementos-chave de A Casa Encantada – Definir a relevância dos elementos-chave em A Casa Encantada – Descrever o processo da metodologia Loop. Assim, descritos a origem e a forma de escrever o projecto, passaremos às duas partes temáticas desta tese.
Descrição: Orientação: José Bragança de Miranda
URI: http://hdl.handle.net/10437/6333
Aparece nas colecções:Biblioteca - Dissertações de Mestrado
Mestrado em Estudos Cinematográficos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
A CASA ENCANTADA 15 de janeiro .pdfDissertação de Mestrado5.07 MBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.